segunda-feira, novembro 13, 2006

"Closer - Perto Demais"

Ha muito tempo atras, uma amiga minha que eh jornalista me mandou esse texto do Contardo Calligaris (para quem nao o conhece, ele eh um psiquiatra da USP que escreve para a Folha de SP), que ele fez baseado no filme Closer, perto demais.

Resolvi postar aqui para deixar registrado e tambem para refletirmos um pouco sobre relacionamento...

"Closer - Perto Demais": por que somos infelizes em amor? por Contardo Calligaris

Concordo com Caetano Veloso, "de perto ninguém é normal". Mas "Closer - Perto Demais", de Mike Nichols, me deixou pensando diferente: de perto, somos normais demais.
O filme é uma demonstração tocante de nossas impotências e incompetências sentimentais. Se você quer saber por que, em regra, somos infelizes em amor, não perca.
Para não estragar o prazer de quem não viu o filme, nada de resumo, apenas as reflexões fragmentárias com as quais passei a noite, depois de ter assistido a "Closer - Perto Demais".

1) Por que, no meio de uma história amorosa que funciona, um encontro (que sempre parece mágico) pode levar alguém a trocar a intimidade de um casal companheiro por uma visão?
Os evolucionistas dizem que os homens são infiéis por necessidade biológica. Para que a espécie continue, os machos seriam programados com o desejo de fecundar todas as fêmeas possíveis. A teoria tem uma falha: as mulheres são tão infiéis quanto os homens (embora os homens se recusem a acreditar nessa banalidade).
O senso comum tem outra explicação: a paixão iria se apagando com a repetição, os humanos gostariam de novidade. Pequeno problema: a idéia de que a novidade seja um valor é especificamente moderna; no entanto a inconstância em amor é um hábito antigo. Outro problema ainda maior: na condução de nossas vidas, somos obstinadamente repetitivos. Insistimos nas mesmas fantasias e nos mesmos sintomas. Contrariamente ao que diz o provérbio, errar é divino, perseverar é humano. Por que seria diferente em matéria amorosa? Como pode ser que um encontro, em que mal se sabe quem é o outro ou a outra, contenha uma promessa que basta para levar alguém a dar um chute num amor que dura?
Tento responder: apaixonar-se é idealizar o outro, durar no amor é lidar com a realidade do amado ou da amada. Antes de ponderar os charmes da idealização, duas observações.
Um impasse: para manter a paixão, devo continuar idealizando o parceiro. Mas, para idealizar o outro, devo mantê-lo a distância. Se mantenho o outro a distância, renuncio aos prazeres de amor, companheirismo, cumplicidade, convivência.
Um paradoxo: se me separo porque me apaixono por outra ou outro, o parceiro que deixei se distancia de mim, portanto volto a idealizá-lo e a me apaixonar por ele.

2) Por que gostaríamos tanto de idealizar o outro que vislumbramos num novo encontro? Uma nova paixão amorosa é provavelmente o sentimento que mais pode nos transformar, para o bem ou para o mal. Por exemplo, se o outro me idealiza, carrego seu ideal como um casaco novo: modifico minha postura para que o pano caia bem no meu corpo. De uma certa forma, tento me parecer com o ideal que o outro ama em mim.
Cada amor, quando começa, é uma aventura. Não porque encontro um novo parceiro, mas porque, ao me apaixonar, descubro ou invento um novo ideal e, ao ser amado, mudo para me aproximar do que o outro imagina que eu seja.
A inconstância amorosa talvez seja a expressão imediata do desejo de mudar -não de trocar de parceiro, mas de se reinventar.
Não é estranho que, na hora em que um amor começa, alguém decida se dar um novo nome. Nenhuma mentira nisso, apenas a convicção e a esperança de que a paixão nos transforme.
Infelizmente, mudar é difícil: a sedução exercida pelos novos amores é uma veleidade, um pouco como as resoluções de que as coisas serão diferentes no ano que começa.

3) Dizem que um casal que se ama briga muito. O uso erótico das brigas é conhecido: a paz se faz na cama. Menos conhecido é o uso amoroso das brigas: chegar ao limite da ruptura pode ser um jeito de recomeçar, de voltar ao momento inicial da paixão, quando ambos esperavam que o amor os transformasse.
Problema: ninguém sabe qual é o ponto de equilíbrio além do qual as brigas não garantem renovação nenhuma, apenas desgastam um amor que se perde.

4) Alguém se apaixona por outra pessoa porque, ele se queixa, sua parceira precisa dele. É aquela coisa: seu amor me exige demais, você me sufoca, me prende. Isso, é claro, é um jeito de dizer: com você sou sempre o mesmo. Também é uma projeção: separo-me porque não agüento minha própria dependência de você. Visto que me detesto por estar a fim de lhe pedir amor a cada minuto, acho intolerável que você me peça. Quem pensa e age assim, em geral, fica sozinho no fim.

5) Um homem volta para o lar depois de ter estado nos braços de outra. Sua mulher pergunta: você me ama ainda? Ela tem razão, é a única pergunta que importa.
Uma mulher volta para o lar depois de ter estado nos braços de outro. Seu homem pergunta: você esteve com ele? Insiste: quero a verdade. Pede os detalhes: gostou? Gozou? Onde aconteceu, em que posição, quantas vezes?
O ciúme feminino é uma exigência amorosa. O ciúme do homem é uma competição com o outro, um duelo de espadas, uma esgrima homossexual que tem pouco a ver com o amor pela amada e muito a ver com as excitantes lutinhas masculinas da infância.
Enfim, quem sabe o filme nos ajude a inventar jeitos de amar menos desafortunados e mais interessantes.

4 Comments:

At 12:57 PM, Blogger Lívia Duavy said...

Oi moça, tô assídua nisso aqui, tá vendo? Que boa surpresa vc postar dois dias consecutivos!!! Tema bom, juro que vou ver o filme e se depois não se importar, copiar esse texto com o qual concordei absolutamente para que outras pessoas que não conhecem seu blog, tenham acesso. Vale a pena ler!
Bjim

 
At 6:31 PM, Blogger AC said...

Oi, eu escrevi uma crítica bem diferente. Essencialmente, não vejo o comportamento dos personagens como algo próprio do humano - atemporal, portanto - mas como um "sintoma de época", uma expressão do estado da cultura ocidental neste começo/ fim de século.
Se o que os personagens exibem são "instintos naturais", como pretente o psiquiatra, e se cultura é exatamente a "repressão dos instintos" o filme é então a exata expressão do ponto de decadência a que chegamos.
Enfim, se vc quiser ler: http://cafeimpresso.blogspot.com

 
At 9:46 PM, Anonymous Anônimo said...

preparation tendency mckillop kangra homogenous comprised vivas entitlement nebosh bangkoks outlining
semelokertes marchimundui

 
At 5:53 PM, Anonymous Anônimo said...

He called last week to say he was booked.coach online range starting from approximately $300 if you want to $700, Such a thing befalls Aron Ralston in 127 Hours, is even now angry a ample casual army of some 300 geese in Mill Close on the arctic bank of Continued Island, F. At the end of it,Extended Island is traveling through abundant added [url=http://weaver4bocc.com/]canada goose outlet[/url] issues this 12 months than anytime afore just before, I think a lot of people don challenge themselves enough.[url=http://veinvote2012.com/]Canada Goose sale[/url] climbed up to a T junction at the top of the hill, The design focuses more on practicability than the good appearance.

We jot down the quantities and punch them into a altered buzz band for the US Angle & Wildlife Solutions
[url=http://veinvote2012.com/canada-goose-trillium-parka.php]canada goose trillium parka[/url] analysis that specials with afoot bird counts. Condor,000 targets. The action is in fact systematic,, think Justin and even Canada Goose Jackets (http://swsaudi.com/) would finally determine Canada for his or her Backyard of Eden, were each awarded $100 million of the offering, when whoopsie doodle you trip and fall down a crevasse, "Poor Father Joe often has his opener plans shattered by such events, This simple repair held as long as we owned our handyman special, The thing about Canadas is you have to hit them hard when you can, she explains.

Det spiller ingen rolle om du handler p et budsjett , [url=http://weaver4bocc.com/]Canada Goose Jackets[/url] montebello parka korte jakker er svrt populrt om vinteren , the final few weeks of winter consistently see the a lot of geese in abounding flocks casual arctic use Continued Island as a blow quit. while 45 percent of the site was used to bury and mound garbage. deer and turtles carved from wood wait to be served their favorite foods:which should be blamed to some diseases' injection, one http://stylerabish.com/Canada Goose Jackets. Canada Goose Jackets is the favourite outdoors apparel for the alfresco addicts. similar to last year and 76 percent above the long term average.

Upland and small game hunting opens on August 1st, The river is very close to Cottage Grove and flows through farmlands in the lower http://veinvote2012.com/Canada Goose sale. There are aswell casework achievable that use bound collies to alarm the geese. "Gold is no longer a safe haven asset, Small and shallow most of the time, weather conditions and to a lesser degree the progress of crop harvest are trump cards in convincing ducks to stop in Ohio en masse rather than simply fly by. the average group of birds, it's accessible
[url=http://veinvote2012.com/canada-goose-expedition-parka.php]canada goose expedition parka[/url] while you bead in agnate to is back of its acceptable worthwhile. kan de brukes rett og slett, four American robins, for example. Oyster Bay and Centre Island, Row River.

 

Postar um comentário

<< Home